Pular para o conteúdo
Voltar

CGE encerra a gestão com balanço positivo de trabalho

De 2019 a 2022, a CGE obteve avanços em todos os segmentos de atuação
Ligiani Silveira | CGE-MT

Secretário-Controlador Geral do Estado de MT, Emerson Hideki Hayashida - Foto por: Jocil Serra
Secretário-Controlador Geral do Estado de MT, Emerson Hideki Hayashida
A | A

A Controladoria Geral do Estado de Mato Grosso (CGE-MT) terá novo secretário a partir de 1º de janeiro de 2023. O anúncio oficial foi feito nesta quarta-feira (28.12) pelo governador Mauro Mendes. O nome do novo titular da CGE-MT, contudo, ainda não foi divulgado pelo chefe do Poder Executivo Estadual.

O atual secretário, o auditor Emerson Hideki Hayashida, deixará a função para se dedicar a outros projetos profissionais e pessoais.

Em mensagem enviada aos servidores da CGE-MT, Hideki agradeceu o empenho de todos nos quatro anos (2019 a 2022) em que esteve à frente do órgão. “Gratidão eterna!”, disse.

Ressaltou também seu compromisso em servir com excelência ao Estado e à CGE. “Continuarei firme e forte como servidor desta honrada instituição”.

Por fim, desejou sucesso ao novo líder da Controladoria. “Que continue avançando no fortalecimento da instituição.”

Balanço

De 2019 a 2022, a CGE obteve avanços em todos os segmentos de atuação. Destaque para a ampliação dos canais de atendimento da Ouvidoria, redução do prazo de respostas ao cidadão e ampliação da transparência das informações públicas, o que resultou na obtenção do selo Ouro na avaliação do Programa Nacional de Transparência Pública, dos Tribunais de Contas do Brasil.

Na área de Auditoria e Controle, destaque para o acompanhamento simultâneo das aquisições emergenciais do Poder Executivo Estadual para as ações da Covid-19, reforço na atuação preventiva, em especial na função de consultoria aos órgãos estaduais, e aumento do índice de aderência às recomendações da CGE pelas secretarias (passou de 36% em 2019 para 78% em 2021).

Na área de Corregedoria, a CGE obteve um saldo superior a R$ 360 milhões na aplicação da Lei da Empresa Limpa, ou Lei Anticorrupção (Lei nº 12.846/2013). O montante envolve multas administrativas e acordos de leniência com empresas pela prática de ilícitos administrativos.

Ainda na área de Corregedoria, destaque para a realização do processo seletivo interno para lotação de servidores nas Unidades de Correição e a elaboração do Programa de Enfrentamento e Prevenção ao Assédio Moral e Sexual nos órgãos e nas entidades do Governo de Mato Grosso.

Outra ação prioritária da CGE nos últimos quatro anos foram as capacitações aos agentes públicos. Por meio do “Programa CGE ORIENTA – Estado Íntegro e Eficaz”, foram realizadas cerca de 200 capacitações, que alcançaram mais de 25 mil servidores.

Destaque também para a criação de Unidade de Integridade para auxiliar as instituições do Poder Executivo Estadual na implantação de Programas de Integridade e acompanhar a execução dos acordos de leniência celebrados com pessoas jurídicas.

Outro resultado a comemorar: a CGE-MT ficou no melhor nível de estrutura dos órgãos centrais de controle interno do Poder Executivo dos estados e das capitais brasileiras em diagnóstico realizado em 2020 pelo Conselho Nacional de Controle Interno (Conaci) e pelo Banco Mundial. Numa escala de cinco níveis, a CGE-MT ficou no melhor deles, o nível A1.

A gestão da CGE nos últimos quatro anos também ficou marcada pelas comemorações dos 40 anos do órgão e por sediar o XVIII Encontro Nacional de Controle Interno, que teve 300 participantes presenciais, mais de 12 mil visualizações no YouTube e 15 palestrantes, painelistas e moderadores, que trataram de temas inovadores para o controle interno, como igualdade de gênero e de raça, inovação, futuro da liderança e importância de cada ser humano no trabalho.